our website  cheap canada goose  

our website  canada goose outlet  

canada goose canada goose Pesquisador da Embrapa apresenta novidades em manejo de pastagem

“Manejar a pastagem, como um todo, significa entender como interagem os três componentes do sistema de produção a pasto que são o solo, a planta e o animal”, a afirmação do pesquisador da Embrapa Gado de Corte, Rodrigo Barbosa, que ministrará a palestra ‘Forrageiras e manejo de pastagem: o que há de novo’, no Confinar 2017, que reunirá cerca de 1.500 pessoas, nos dias 23 e 24 de maio, no Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo, em Campo Grande. O evento é organizado pela BeefTec.

Entre os pontos que compõe a palestra de Barbosa está a explicação em relação ao excesso de lotação dos pastos. “Este talvez seja o principal erro de manejo ainda cometido nos dias de hoje. Na fazenda, existe uma demanda por alimento, devido ao número de animais e uma quantidade de comida, ou seja, forragem. O problema reside no fato de que, enquanto a demanda é crescente, a quantidade é variável em função das flutuações na produção de alimentos devido a condições climáticas. Cabe ao manejador do pasto buscar soluções para equacionar esta situação”.

A opinião do pesquisador é compartilhada pelo médico veterinário Rodrigo Spengler, diretor da Beef Tec, que acredita que o planejamento pecuário pode solucionar este que pode ser considerado um gargalo do segmento. “A correta lotação de animais dos pastos é o caminho inclusive para aumentar, com eficiência, a produção de carne bovina em Mato Grosso do Sul”.

Para o palestrante da Embrapa, o correto manejo é fundamental para o bom desempenho da pecuária de corte uma vez que é um complexo dinâmico, em que qualquer intervenção em um dos componentes de produção pode desencadear alteração nos demais. “Os objetivos principais do manejo da pastagem são: garantir a perenidade do pasto e fornecer quantidade adequada de forragem aos animais”, acrescenta.

Segundo o especialista, toda e qualquer prática adotada tais como, escolha de espécies forrageiras, adubação, divisões de invernada, suplementação animal, entre outros, podem ser consideradas práticas que influenciam a produtividade animal. “Durante o Confinar, com relação às forrageiras, serão apresentados os novos materiais desenvolvidos pela Embrapa com suas características e aptidões para os mais diversos tipos de sistemas de produção”.

Além da alta lotação, já citada, Barbosa acredita que os produtores rurais cometem outros equívocos que podem comprometer a produtividade pecuária. “O primeiro erro é achar que existe um capim que serve para os mais variados modelos de sistemas de produção”, explica o palestrante do Confinar citando que é preciso conhecer os recursos físicos da região/propriedade, o que significa solo e clima.

“Outro erro é a falta de reposição de nutrientes aliado ao excesso de carga animal. Toda forrageira produtiva necessita de adubação de manutenção e manejo do pastejo correto”, complementa Barbosa. Forrageiras, assim como culturas anuais, extraem grandes quantidades de nutrientes do solo e, quanto mais produtiva ela for, maior será a extração. Caso não ocorra a reposição de nutrientes, o processo de degradação será uma questão de tempo.

 Investimentos X Retorno – O pesquisador da Embrapa explica que podem existir modalidades que requerem maiores investimentos, como adubação, construção de cercas e irrigação, e outras onde o monitoramento das condições do pasto e as formas de utilização necessitam de investimentos relativamente menores. “Nos dias de hoje, o controle da utilização dos pastos, melhorando a eficiência de colheita, tem apresentado incrementos significativos na produção animal”.

 

Além disso, todo e qualquer investimento deve ser acompanhado de uma boa gestão econômica da atividade, principalmente àquelas que exigem alto montante de recursos. “Os aspectos econômicos devem estar em primeiro lugar.  Com relação ao manejo correto do pastejo, que melhora e utilização do pasto, existem informações de incremento em produtividade superior a 10 arrobas por hectare ao ano sem aporte de nutrientes e/ou suplementação”, ressalta.

canada goose Sobre o evento – O Confinar está em sua 6ª edição e se consolida como um dos principais do agronegócio brasileiro. Em 2016 registrou cerca de 1,5 mil pessoas, de vários estados e até de outros países. O evento é organizado pela Company Eventos e a empresa responsável pela comunicação do simpósio é Agro Agência Assessoria. Para mais informações, acesse: http://confinar.net/ e faça sua inscrição.